Concentração de Monóxido de Carbono Exalado e Carboxihemoglobina por Jovens Universitários Fumantes de Cigarro e Narguilé

Autores

  • Viviane Martins Mana Salício Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Caroline Stedten Vitorassi Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Isabella de Camillo Tinoco Campos Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Itala Gabrielle Alencar Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Luana Rodrigues Pereira Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Maria Theresa Campos de Almeida Barros Curso de Fisioterapia, Centro Universitário de Várzea Grande. MT, Brasil.
  • Viviane Martins Santos Universidade de Cuiabá, Curso de Fisioterapia. Universidade Federal de Mato Grosso. MT, Brasil
  • Ariane Hidalgo Mansano Pletsch Universidade de Cuiabá, Curso de Fisioterapia. Universidade Federal de Mato Grosso. MT, Brasil
  • Marcos Adriano Salicio Universidade de Cuiabá, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ambiente e Saúd

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2018v20n3p195-199

Resumo

Resumo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que pelo menos um terço da população mundial adulta utilize o tabaco. Análises comprovam que a fumaça do narguilé contém quantidades superiores de nicotina, monóxido de carbono, tabaco, metais pesados e substâncias cancerígenas comparada à fumaça do cigarro. O objetivo desse estudo foi verificar os valores de monóxido de carbono exalados e carboxihemoglobina entre jovens fumantes de cigarro e fumantes de narguilé. Estudo transversal realizado em um Centro Universitário de Várzea Grande-MT, em novembro de 2017. A amostra por conveniência conteve 50 fumantes de cigarro e 50 fumantes de narguilé com faixa etária entre 18 a 35 anos. Os níveis de monóxido de carbono exalados e carboxihemoglobina foram avaliados pelo equipamento Micro CO (Micro Medical SA). Jovens universitários fumantes de cigarro apresentaram maiores concentrações de monóxido de carbono exalado (COex) e caboxihemoglobina (COHb), mediana 8,0 (±10,6 %), IC95% (8,3-14,2) quando comparado a fumantes de narguilé (p<0,0001). Fumantes de cigarro apresentaram maiores valores de COex e Carboxihemoglobina, podendo este achado ser devido ao fato de estarem expostos ao hábito mais rotineiramente pela facilidade de transporte do cigarro em maço, aumentando o contato com o tabagismo e maior exposição ao monóxido de carbono (CO). Apesar de maiores níveis de CO terem sido encontrados em fumantes de cigarro, o hábito de fumar promove uma exposição contínua a este gás, além de outras substâncias tóxicas provenientes da queima do tabaco e demais componentes, causando danos à saúde do usuário, independentemente, do método usado para inalar o tabaco.

Palavras-chave: Carboxihemoglobina. Monóxido de Carbono. Tabaco.

Abstract

The World Health Organization (WHO) estimates that at least one third of the world’s adult population uses tobacco. Analyzes show that narghile smoke contains higher amounts of nicotine, carbon monoxide, tobacco, heavy metals and carcinogens compared to cigarette smoke. To verify the values o f exhaled carbon monoxide and carboxyhemoglobin among young smokers of cigarettes and smokers of narghile. Crosssectional study at a University Center of Várzea Grande, MT, in November 2017. The sample for convenience contained 50 cigarette smokers and 50 smokers of narghileages ranging from 18 to 35 years. The levels of exhaled carbon monoxide and carboxyhemoglobin were evaluated by the Micro CO equipment (Micro Medical SA). Young college students who smoked cigarettes had higher concentrations of exhaled carbon monoxide (COex) and capexhemoglobin (COHb), median 8.0 (± 10.6%), 95% CI (8.3-14.2) when compared to smokers of narghile (p <0.0001). Cigarette smokers presented higher values of COex and Carboxyhemoglobin, which may be because they are exposed to the habit more routinely because of the ease of cigarette carrying in the pack, increasing contact with smoking and increased exposure to carbon monoxide (CO). Although higher levels of CO are found in cigarette smokers, smoking promotes continued exposure to this gas in addition to other toxic substances from tobacco burning and other components, causing harm to the user’s health, regardless of the method used to inhale tobacco.

Keywords: Carboxyhemoglobin. Carbon Monoxide. Tobacco.

Referências

Fagundes LGS, Martins MG, Magalhães EMS, Palmiéri PCR, Silva Júnior SI. Políticas de saúde para o controle do tabagismo na América Latina e Caribe: uma revisão integrativa. Ciênc. Saúde Coletiva. 2014;19(2):499-510. doi: 10.1590/1413-81232014192.13482012.

Figueiredo VC, Szklo AS, Costa LC, Kuschnir MCC, Silva TLN, Bloch KV et al. ERICA: prevalência de tabagismo em adolescentes brasileiros. Rev Saúde Publica 2016;50(supl 1):1s-12s. doi: 10.1590/S01518-8787.2016050006741

Barros ER, Lima RM. Prevalência e Características do Tabagismo entre Universitários de Instituições Públicas e Privadas da Cidade de Campos dos Goytacazes, RJ. Vértices 2011;13(3):93-116.

Reveles CC, Segri NJ, Botelho C. Fatores associados à experimentação do narguilé entre adolescentes. J Pediatr 2013;89(6):583-7.doi:10.1016/j.jped.2013.08.001.

INCA- Instituto Nacional do Câncer. Alerta para malefícios do narguilé, 2012.[acesso em 12 abr 2017]. Disponível em http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/ comunicacaoinformacao/site/home/sala_imprensa/ releases/2012/inca_alerta_para_maleficios_narguile

Oliveira SMC, Silveira ALL, Oliveira MAB, Neves SAVM. Prevalência de tabagismo em estudantes de educação física. Rev Debates Psiquiatr 2017;7(1):6-14.

Sabo DM, Natali MRM. Uso habitual do narguilé: conscientização dos riscos. Versão On-line 2013;1:1-19.

Cardinal Health. Micro CO meter operating manual. Revision 1.6.UK.Cardinal Health 2008.

Wald NJ, Idle M, Boreham J, Bailey A. Carbon monoxide in breath in relation to smoking and carboxyhaemoglobin levels. Thorax 1981;36(5):366-9.

Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: MS; 2017.

Barros MS, Schuck CP, Mana VM, Salicio MA, ShimoyaBittencourt W. Avaliação da concentração de monóxido de carbono em estudantes universitários da área da saúde. J Health Sci Inst 2012;30(4):399-405.

Miranda JS, Almeida JB, Marques JFG. Prevalência e fatores associados ao tabagismo em uma unidade universitária. Enferm Bras 2009;8(5):266-71.

Hallal ALC, Gotlieb SLD, Almeida LM, Casado L. Prevalência e fatores associados ao tabagismo em escolares da Região Sul do Brasil. Rev Saúde Pública 2009;43(5):77988. doi: 10.1590/S0034-89102009005000056.

Manzano BM, Ramos EMC, Vanderei LCM, Ramos D. Tabagismo no ambiente universitário: grau de dependência, sintomas respiratórios e função pulmonar. Arq Ciênc Saúde UNIPAR 2009;13(2):75-80.

Santos UP, Gannam S, Abe JM, et al. Emprego da determinação de monóxido de carbono no ar exalado para a detecção do consumo de tabaco. J Bras Pneumol 2001;27(5):231-6.

Brasil. Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição. Diário Oficial da União - Seção 1 - 16/7/1996.

Brasil. Lei n° 10.702,14 de julho de 2003. Altera a Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996, que dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4º do art. 220 da Constituição Federal. Diário Oficial da União - Seção 1 - 15/7/2003.

Albanesi Filho FM. A legislação e o fumo. Arq Bras Cardiol 2004;82(5):407-8. doi: 10.1590/S0066782X2004000500001.

Downloads

Publicado

2018-09-30

Edição

Seção

Artigos