Efeitos da Dieta Paleolítica nos Parâmetros Comportamentais, Bioquímicos e Teciduais em Camundongos Sadios

Autores

  • Vitoria Siufi Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Bruno Barbato Menegheli Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Marina Martinelli Guimarães de Souza Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasi
  • Mateus Rocha Calarge Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Mylena Barbosa Rodrigues Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Mylena Miuki Ogatha Takatori Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Victor Santos Coll Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Yasmin Merighi Hauache Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil
  • Vania Claudia Olivon Universidade Anhanguera Uniderp, MS, Brasil; Universidade Anhanguera de São Paulo, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Farmácia, SP, Brasil
  • Doroty M Dourado Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2018v20n3p218-220

Resumo

Resumo

A obesidade está associada aos riscos para a saúde, devido a sua relação com o aumento da pressão arterial, dos níveis de colesterol e triglicerídeos sanguíneos e também a resistência à insulina. A causa principal da obesidade está intrinsecamente relacionada aos hábitos alimentares e interações do material genético do indivíduo e, também, está ligada aos fatores sociais, ambientais e comportamentais. Atualmente, são utilizadas muitas dietas com diferentes parâmetros, dentre estas a Dieta Paleolítica. A Dieta Paleolítica tem o propósito de usar como classes principais de alimentos: proteínas, vegetais, frutas e gorduras não-industrializadas, excluindo não-inteiramente o consumo de hidratos de carbono, sendo este o grande diferencial da Dieta Paleolítica, quando comparada às dietas modernas para perda de peso. O objetivo do presente trabalho foi avaliar os efeitos da dieta paleolítica nos níveis comportamentais em camundongos C57BL/6 sadios. O estudo foi realizado na unidade Uniderp Agrárias, na cidade de Campo Grande – MS. Foram utilizados camundongos C57BL/6, organizados aleatoriamente em oito grupos e foi realizado o monitoramento dos parâmetros comportamentais, de peso e ingesta de ração, pelos períodos de 15 ou 30 dias de tratamento. Os resultados demonstraram que os grupos que receberam a Dieta Paleolítica por 15 ou 30 dias não apresentaram diferença significativa nos parâmetros comportamentais e ingesta de água e ração. Por tanto, é possível concluir que a Dieta Paleolítica não altera o comportamento, o consumo de ração e peso corporal.

Palavras-chave: Camundongos. Dieta Rica em Proteínas. Comportamento. Perda de Peso. 

Biografia do Autor

Vitoria Siufi, Universidade Anhanguera Uniderp, Curso de Medicina, MS, Brasil

Medicine Undergraduate Student - Universidade Anhanguera– Uniderp

Referências

Lima RM. Obesidade: o mal do século. Perspect Salud 2007; 1 (2): 86-99.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Vigitel Brasil 2017;1(1):50-3.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade. Caderno de Atenção Básica 2014;38(1):20-5.

Santos RD, Gagliardi ACM, Xavier HT, Magnoni CD, Cassani R, Lottenberg AMP et al. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arq Bras Cardiol 2013;100(1):4-5.

Almeida JC, Rodrigues TC, Silva FM, Azevedo MJ. Revisão sistemática de dietas de emagrecimento: papel dos componentes dietéticos. Arq Bras Endocrinol Metab 2009;53(5):673-87. doi: 10.1590/S0004-27302009000500020.

Cordain L. La Dieta Paleolítica. Barcelona: Urano; 2011.

Konner M, Eaton SB. Paleolithic nutrition: twenty-five years later. Nutri Clin Pract 2010;25(6):594-602. doi: 10.1177/0884533610385702.

Reeves PG, Nielsen FH, Fahey GC Jr. AIN-93 purified diets for laboratory rodents: final report of the American Institute of Nutrition ad hoc writing committee on the reformulation of the AIN-76A rodent diet. J Nutr 1993;123(11):1939-51. doi: 10.1093/jn/123.11.1939.

Neves MPS, Ong MPF, Rodrigues DL, Santos AR, Fontes SR, Santana OR. Manual de cuidados e procedimentos com animais de laboratório do biotério de produção e experimentação da FCF-IQ/U. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Ribeiro VM, Pascoal AC, Castro ES, Junior JM, Blondet VA. A “dieta da proteína” reduz o diâmetro e a densidade volumétrica glomerular em ratas. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde 2016; 11 (2): 493-505. doi: 10.12957/ demetra.2016.18380.

Westerterp-plantega MS. The significance of protein in food intake and body weight regulation. Curr Opin Clin Nutr Metab Care 2003;6(6):635-8. doi: 10.10.97/01. mco.0000098087.40916.c4.

Schwingshackl L, Hoffmann G. Comparison of high vs. normal/low protein diets on renal function in subjects without chronic kidney disease: a systematic review and meta-analysis. PloS one 2014;9(5):e97656. doi: 10.1016/j. jcrc.2012.08.019.

Downloads

Publicado

2018-09-30

Edição

Seção

Artigos