A Teoria das Necessidades e a Busca da Excitação: o que Leva os Corredores às Ruas

Autores

  • Jorge Pereira Rodrigues Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Exercício e do Esporte. RJ. Brasil
  • Felipe da Silva Triani Faculdade Gama e Souza http://orcid.org/0000-0001-6470-8823
  • Silvio de Cassio Costa Telles Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Exercício e do Esporte. RJ. Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2018v20n3p205-211

Resumo

Resumo

As corridas de rua representam para os campos da Educação Física e do esporte um fenômeno de grandes proporções, tendo servido como objeto de estudo para compreender os efeitos fisiológicos sobre a saúde, as questões relacionadas aos mecanismos de lesão, melhora do desempenho de atletas e como forma de manifestação de lazer. Além disso, considerando o crescimento da prática da corrida de rua, o número de eventos e atletas, as academias, que se tornaram populares nos anos de 1980 e 1990, nos últimos anos, fornecem muitos corredores para as ruas. No entanto, os motivos que fazem os corredores associarem a corrida na esteira das academias às corridas de rua ainda são poucos conhecidos. Destarte, o objetivo da pesquisa foi revisitar a literatura e investigar as motivações, que têm implicado os corredores a associar as esteiras das academias com as corridas de rua. Para atingi-lo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica de revisão narrativa nos principais periódicos da Educação Física brasileira e nas bases indexadoras SciELO e Google Acadêmico, tendo a busca sido realizada até 2014. Logo, como resultados a revisão contribui na medida em que desvela o sentimento gregário de grupo e a busca pela excitação, por meio do ambiente diversificado, alternativo e imprevisível das ruas, como os principais motivos que contribuem na associação que os corredores empregam das esteiras para as ruas.

Palavras-chave: Ciências da Saúde; Ciências do Esporte; Psicologia do Esporte; Saúde; Atletismo.

Abstract

The street running represents a phenomenon of great proportions for the fields of physical education and sport, having served as an object of study to understand the physiological effects on health, the questions related to the mechanisms of injury, improvement of the athletes performance and as a leisure manifestation.In addition, considering the growing practice of street running, the number of events and athletes, the gyms, which became popular in the 1980s and 1990s, in recent years, provide many runners to the streets. However, the motives that make runners associate the running in the treadmills in the gyms with the street runnings are still little known. Thus, the objective of the research was to revisit the literature and investigate the motivations that have implicated the runners to associate the treadmilss at the gyms with the street running. In order to reach this goal, a bibliographical research was carried out on the narrative review in the main Brazilian physical education journals and on the SciELO and Google Scholar index databases, and the search was carried out until 2014. As a result, the review contributes to the extent that it reveals the gregarious group feeling and the quest for excitement through the diversified, alternative and unpredictable environment of the streets as the main motives that contribute to the association that runners employ from the treadmills to the streets.

Keywords: Health Sciences; Sports Science; Sports Psychology; Health; Athletics.

Biografia do Autor

Jorge Pereira Rodrigues, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Exercício e do Esporte. RJ. Brasil

Mestrando em Ciências do Exercício e do Esporte – UERJ

Felipe da Silva Triani, Faculdade Gama e Souza

Mestre em Humanidades, Culturas e Artes - UNIGRANRIO

Silvio de Cassio Costa Telles, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências do Exercício e do Esporte. RJ. Brasil

Doutor em Educação Física – UGF

Referências

Evangelista AL. Treinamento de corrida: uma abordagem fisiológica e metodológica. São Paulo: Phorte; 2009.

Salgado JVV, Chacon-Mikahil MPT. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões 2006; 4(1):90-9.

Dallari MM. Corrida de rua: um fenômeno sócio cultural contemporâneo. São Paulo: USP; 2009.

Marinho DA, Guglielmo LGA. Atividade física na academia: objetivos dos alunos e suas implicações. In: Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, 1997; 10(1).

Terra. Brasil é 2º país em número de academias de ginástica Terra, 2014.

Gomes IR, Chagas RA, Mascarenhas F. A indústria do fitness, a mercantilização das práticas corporais e o trabalho do professor de educação física: o caso body systems. Movimento 2010; 16(4):169-86.

Zimerman DE, Osório LC. Como trabalhamos com grupos. São Paulo: Livraria Duas Cidades; 1997.

Rubio K. Estrutura e dinâmica dos grupos esportivos. In: Rubio K. Psicologia do esporte: teoria e prática. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.

Albuquerque RC. Comportamento do consumidor de materiais esportivos para a prática da corrida de rua na região metropolitana de Belo Horizonte. Belo Horizonte: FIPEL; 2007.

Oliveira SN. Lazer sério e envelhecimento: loucos por corrida. Porto Alegre: UFRGS; 2010.

McClelland DC, Burham DH. O Poder é o grande motivador. In: Vroom VH. (Org.). Gestão de pessoas, não de pessoal. Rio de Janeiro: Campus; 1997.

Maslow AH. A theory of human motivation. Psychol Rev 1943; 50: 370-96.

Ferreira LFS. Corridas de aventura: construindo novos significados sobre corporeidade, esportes e natureza. Campinas: Unicamp; 2009.

Moretti AR. Corridas de aventura: processos de coesão grupal na superação de obstáculos. 2009. São Paulo: PUC; 2009.

Elias N, Dunning E. A busca pela excitação. Lisboa: Difel; 1992.

Robbins SP. Comportamento organizacional. São Paulo: Prentice Hall; 2002.

Segalen M. Ritos e rituais contemporâneos. Rio de Janeiro: FGV; 2002.

Stigger MP. Esporte, lazer e estilos de vida um estudo etnográfico. São Paulo: Autores Associados, 2002.

Dias CAG, Melo VA, Alves Júnior E. Os estudos dos esportes na natureza: desafios teóricos e conceituais. Rev Port Ciênc Desporto 2007; 7(1):124-37.

Downloads

Publicado

2018-09-30

Edição

Seção

Artigos