Avaliação das Condições Higiênico-Sanitárias no Comércio de Pescados em um Mercado do Peixe

Autores

  • Edithe Helena de Brito Santos UNINOVAFAPI
  • Fabriza Karoline Moreno Alvarenga
  • Sheila Maria de Vasconcelos Nogueira
  • Ione Cristina Dantas Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2016v18n3p151-8

Resumo

Os pescados são altamente perecíveis e susceptíveis a uma série de contaminantes de natureza biológica, química e/ou física e sua comercialização em feiras livres e mercados públicos é uma atividade que requer atenção, pois quando não armazenados adequadamente, há um favorecimento da sua deterioração. O trabalho teve como objetivo avaliar as condições higiênico-sanitárias da comercialização de pescados em um mercado do peixe, localizado na cidade de Teresina, Piauí. Participaram do estudo os proprietários e os manipuladores de pescados do referido mercado, que atualmente é composto por uma equipe de 65 permissionários, distribuídos em 17 boxes. A coleta de dados se deu pelo método de observação, com aplicação de check list adaptado à Norma Resolutiva nº 275, de 21 de outubro de 2002. Além de registro fotográfico para subsidiar as análises dos dados. Para avaliação estatística dos dados se utilizou o programa Statistical Package for Social Science for Windows (SPSS) e o programa Microsoft Office Excel 2010® para tabulação dos dados, formulação das tabelas e categorias a serem analisadas. Os resultados evidenciaram que o mercado observado se encontra em condições higiênico-sanitárias inadequadas para comercialização de pescados, o que propicia a contaminação dos mesmos, apesar de não terem sido encontradas alterações características de deterioração dos produtos. Pode-se afirmar que o mercado não vem atendendo aos critérios de qualidade estabelecidos pela Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004, necessitando de reforma geral para ajuste das instalações, o que visa às condições adequadas aos feirantes e do produto comercializado.

Referências

Dezani AA, Batista JCV, Theodoro RN, Dezani R. A percepção do idoso quanto aos fatores determinantes no consumo de pescado. Rev. Adm. Fatea, ago./dez. 2014; 9(9):39-53.

Germano MIS. Treinamento de manipuladores de alimentos: fator de segurança alimentar e promoção de saúde. São Paulo; 2003.

Moura HF. A qualidade dos alimentos no contexto da Política de Segurança Alimentar: estudo de caso numa Feira Livre Tradicional de Fortaleza. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará; 2007.

Aragão IKMB. Irregularidades observadas no cumprimento das boas práticas em restaurantes "self service" na região do grande méier - Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Universidade Castelo Branco; 2007.

Prazeres A, Gondim A, Souza E, Ribeiro SCA, Park KJ, Hubinger MD, Ribeiro CFA, Araujo EAF, Tobinaga S. Análise sensorial de músculo de Mapará com e sem tratamento osmótico. Ciênc. Tecnol. Alimento. Campinas,SP; 2010; 30(Supl.1): 24-32.

Malavota LCM. Avaliação dos pontos críticos no processamento de “sashimis” em restaurantes: análises bacteriológicas e pesquisa de sensibilidade a antimicrobianos. Niterói,RJ: Universidade Federal Fluminense; 2008.

Vieira RHSF. Microbiologia, higiene e qualidade do pescado. São Paulo; v.1, Editora Varela; 2004:89-130.

Xavier AZP, Vieira GDG, Rodrigues LOM, et al. Condições higiênico-sanitárias das feiras livres do município de Governador Valadares. Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce; 2009.

Ordoñez JA (Org.). Tecnologia de Alimentos: de origem animal. Porto Alegre,RS; 2005.

Pinto LIF, Borges JM, Abreu MM, Castro AS, Alencar GRR, Feitosa RGN. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das bancas de comercialização de peixe no mercado do peixe na cidade de Teresina-PI. VII Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação. Palmas,TO; 2012.

Panetta JC. Comida de rua: como controlar? Rev. Dig. São Paulo; 2003.

Marchiori DSR. Perfil higiênico-sanitário de feiras-livres do Distrito Federal e avaliação da satisfação de seus usuários. Brasília,DF: Universidade de Brasília; 2004.

Rodrigues DMS. Perfil higiênico-sanitário de feiras livres do distrito federal e avaliação da satisfação de seus usuários. Brasília,DF: Universidade de Brasília; 2004.

Brasil. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Brasília,DF; 2004.

Veiga CF, Doro DL, Oliveira KMP, Bombo DL. Estudo das condições sanitárias dos estabelecimentos comerciais de manipulação de alimentos do município de Maringá, PR. Rev. Hig. Alim. 2006; 20(138):28-35.

Guimarães SL, Figueiredo EL. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de panificadoras localizadas no município de Santa Maria do Pará. Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR. Rev. Bras. de Tec. Agroindustrial 2010;4(2): 198-206.

São José JFB, Pinheiro-Sant’ana HM. Assessment of good handling practices in a school food service. Nutrire. Rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. J. Brazilian Soc. Food Nutr.; dez. 2008; 33(3):123-138.

Campos DS, Paiva ZC. Condição higiênico-sanitária do pescado comercializado em feira no município de Manaus-AM. Manaus,AM; 2012.

Oliveira AMC, Raposo A. Boas Práticas de Fabricação em Restaurantes de Fortaleza-CE. Fortaleza,Ce: Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz; 2014.

Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. Manual ABERC de práticas de elaboração e serviço de refeições para coletividades. 6 ed. Paraíso, SP; 2000.

Silva Filho ARA. Manual básico para planejamento e projeto de restaurantes e cozinha industrial. São Paulo: Varela; 1996.

Poerner N, Rodrigues E, Palhano AL, Fiorentini AM. Avaliação das condições higiênico-sanitárias em serviços de alimentação. Rev. Inst. Adolfo Lutz 2009; 68(3).

Brasil. Portaria nº. 326 – SVS/MS, 30 de julho de 1997. Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: 30 de julho; 1997.

Urbano RLSR. Avaliação das condições higiênico-sanitárias do pescado comercializado nos mercados varejistas do Rio de Janeiro-RJ. Rio de Janeiro,RJ; 2007.

Cruz AG, Cenci AS, Maia MCA. Pré-requisitos para implementação do sistema APPCC em uma linha de alface minimamente processada. Ciênc. e Tec. de Alimentos jan. 2006; 26(1):104-109.

Silva SA. Avaliação do perfil higiênico-sanitário dos estabelecimentos comerciais e manipuladores de carne bovina na feira livre de Bananeiras-PB. Enfoque Prático – España, Editora Acribia, A. S.; 2003.

MENEZES VP. Avaliação das Condições Higiênico-Sanitárias e Físico-Estruturais em Açougues na cidade de Salvador-BA. Universidade Federal Rural do Semi-Árido; 2008.

Hobbs BC, Roberts D. Toxinfecções e controle higiênico-sanitário de alimentos. São Paulo: Varela; 1998.

Figueiredo ESSE, Imbelloni MF, Elesbão HS, Santos AF. Avaliação das condições Higiênico-sanitárias de manipulação de comercialização de produtos de origem animal nas feiras livres do município de Cuiabá-MT. Rev. Hig. Alimentar 2007; 21(148):38-42.

Almeida RCC, Kuaye AE, Serrano AM, Almeida PF. Avaliação e controle da qualidade microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos. Rev. de Saúde Púb. 1995; 29(4):290-94.

Góes JAW, Furtunato DMN, Veloso IS, Santos, JM. Capacitação dos manipuladores de alimentos e a qualidade da alimentação servida. Rev. Hig. Alimentar 2004; 15(82):20-22.

Rosa MP. Os fatores que influenciam na qualidade do pescado. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2001.

São José JFB, Pinheiro-Sant’ana HM. Assessment of good handling practices in a school food service. Nutrire. rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. J. Brazilian Soc. Food Nutr. 2008; 33(3):123-138.

Brasil. Ministério da Saúde - Secretaria Nacional de Organização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde. Programa de Controle de Infecção Hospitalar. Lavar as mãos: informações para profissionais de saúde. Série A: Normas e Manuais Técnicos – 11; 1989.

Downloads

Publicado

2016-10-06

Edição

Seção

Artigos