Monitorização da Expansão Pulmonar Após Manobras de Fisioterapia Respiratória por Meio do Tomógrafo de Impedância Elétrica

Autores

  • Larissa Barrientto Unicamp
  • Ligia Ratti Unicamp
  • Rodrigo Tonella Unicamp
  • Daniela Faez
  • Ana Paula Ragonete dos Anjos
  • Luciana Castilho Figueiredo

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2016v18n3p201-5

Resumo

A tomografia de impedância elétrica é um método não invasivo de visualização da mecânica respiratória beira-leito. Este exame permite observar, em tempo real, a ventilação regional pulmonar a cada ciclo respiratório com o objetivo de se otimizar e observar os efeitos imediatos dos ajustes de ventilação mecânica e\ou terapia respiratória. O objetivo é monitorar e avaliar a reexpansão pulmonar durante as manobras fisioterapêuticas de bloqueio torácico e hiperinsuflação pulmonar com AMBU® por meio do tomógrafo de impedância elétrica. Apresentação dos resultados e a interpretação da monitorização pela tomografia por impedância elétrica torácica em paciente vítima de trauma cranioencefálico, com diagnóstico de pneumonia em hemitórax esquerdo, internado na Unidade de Terapia Intensiva submetido à manobra de bloqueio torácico e a manobra de hiperinsuflação pulmonar. Previamente à manobra de bloqueio torácico, as porcentagens de áreas ventiladas foram: quadrante 1 50%, quadrante 3 34%, quadrante 2 3% e quadrante 4 11%. Após a manobra os resultados obtidos foram: quadrante 1 50%, quadrante 3 22%, quadrante 2 14% e quadrante 4 13%. Na hiperinsuflação pulmonar, previamente as porcentagens de áreas ventiladas foram: quadrante 1 33%, quadrante 3 25%, quadrante 2 22% e quadrante 4 19%. Após a hiperinsuflação pulmonar os resultados obtidos foram: quadrante 1 39%, quadrante 3 22%, quadrante 2 23% e quadrante 4 15%. Após as manobra de bloqueio torácico há redistribuição da ventilação pulmonar no
pulmão contralateral e na hiperinsuflação pulmonar houve redistribuição da ventilação pulmonar em ápices pulmonares e redução em bases. A monitorização também mostra que essas manobras são eficazes para reexpansão pulmonar.

Biografia do Autor

Larissa Barrientto, Unicamp

fISIOTERAPEUTA, ALUNA DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA RESPIRATORIA EM UTI ADULTO UNICAMP

Ligia Ratti, Unicamp

Fisioterapeuta, docente do curso de especialização resppiratoria em UTI adulto da Unicamp e doutoranda

Rodrigo Tonella, Unicamp

Mestre, DOUTORANDO E DOCENTE DO CURSO DE ESPECILAIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA RESPIRATORIA EM UTI ADULTO UNICAMP

Daniela Faez

FISIOTERAPEUTA, MESTRANDA PELA UNICAMP

Ana Paula Ragonete dos Anjos

FISIOTERAPEUTA, MESTRANDA PELA UNICAMP

Luciana Castilho Figueiredo

FISIOTERAPEUTA, DOUTORA, DOCENTE E COORDENADORA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA RESPIRATORIA EM UTI ADULTO UNICAMP

Referências

-Stiller, Kathy. Physiotherapy in Intensive Care: An Updated Systematic Review. CHEST 2013; 144(3):825–847.

- Leech, Maja; Bissett, Bernie; Kot, Marta; Ntoumenopoulos, George. Physiotherapist-initiated lung ultrasound to improve intensive care management of a deteriorating patient and prevent intubation: a case report. Physiother Theory Pract 2015 Jan 29.:1-5.

- Frerichs I, Dudykevych T, Hinz J, Bodenstein M, Hahn G, Hellige G. Gravity effects on regional lung ventilation determined by functional EIT during parabolic flights. J Appl Physiol (1985). 2001;91(1):39-50.

- L.Cabeza, A.Abella, C.Hermosa. Evaluation of physiotherapy techniques using impedance tomography. Med Intensiva. 2015; 39(1) :64.

Downloads

Publicado

2016-10-06

Edição

Seção

Artigos