Avaliação Qualitativa da Alimentação de Idosos e suas Percepções de Hábitos Alimentares Saudáveis

Autores

  • Luana Romão Nogueira Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Juliana Masami Morimoto
  • Juliana Aiko Watanabe Tanaka
  • Ana Paula Bazanelli

DOI:

https://doi.org/10.17921/2447-8938.2016v18n3p163-70

Resumo

O envelhecimento é um processo natural, espontâneo, progressivo e irreversível que torna os indivíduos mais vulneráveis, prejudicando seus estados nutricionais. Portanto, os objetivos desse trabalho são: avaliar e comparar qualitativamente o consumo alimentar de idosos institucionalizados e não institucionalizados, classificar o estado nutricional e identificar a percepção sobre hábitos alimentares saudáveis. Trata-se de estudo transversal, com indivíduos com idade ≥ 60 anos assistidos ou não por instituições. Para tanto, foram aplicados três questionários: caracterização da amostra; questionário baseado no Guia Alimentar para a População Brasileira (2005); e questionário baseado no teste Percepções de hábitos saudáveis” de Guedes e Grondin (2002). Dentre os 45 idosos avaliados, 21 eram institucionalizados e 24 não institucionalizados. A maioria era do sexo feminino, viúva, com idade entre 60-93 anos e ensino fundamental completo. Notou-se, nos dois grupos, a prevalência de HAS e DM. Além disso, a maior parte era sedentária. Quanto ao grau de dependência, os idosos institucionalizados eram semi-dependentes e os não institucionalizados independentes. A maioria dos idosos se encontra em sobrepeso. Quanto às percepções sobre hábitos alimentares saudáveis, a maioria foi considerada regular. A maioria dos idosos, institucionalizados ou não, encontrava-se em sobrepeso e apresentavam percepção sobre hábitos alimentares semelhantes, classificados como regular. Os idosos institucionalizados apresentaram alimentação mais adequada, pois realizam mais refeições ao dia e possuem maior consumo de cereais, verduras, legumes, carnes, leguminosas e peixe.

Referências

Alves RP, Gomes MMBC, Marucci MFN. Nutrição na geriatria. In: Mura JDP, Silva SMCS. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. 1. Ed. São Paulo: Roca; 2007. cap. 24.

Brasil. Lei n° 10.741/03, de 1° de outubro de 2003. Estatuto do Idoso. Acesso em 23 de set. de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm.

Duca GFD. Indicadores da institucionalização de idosos: estudo de casos e controles. Rev Saúde Pública 2012 Fev; 46 (1): 147-153.

Camarano AA, Kanso S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev Bra. Estud Popul 2010 Jun; 27(1): 232-235.

Unicovsky MAR. Idoso com sarcopenia: uma abordagem do cuidado da enfermeira. Rev Bras Enferm 2004 Maio; 57 (3): 298-302.

Nancy GH. Nutrição no envelhecimento. In: Escott-stump S, Mahan LK. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 11. Ed. São Paulo: Roca; 2005. cap. 13.

Boz C, Mendes KG, Santos JS. Descrição do índice de massa corporal e do padrão do consumo alimentar das integrantes de uma universidade da terceira idade no interior do Rio Grande do Sul. RBCEH 2010 Maio; 7 (2): 229-243.

Ministério da saúde. Guia Alimentar para a população brasileira. 2014. Acesso em 13 de abril de 2015. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf.

World Health Organization (WHO). Global strategy on diet, physical activity and health. Acesso em 9 de setembro de 2015. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/strategy/eb11344/en/.

Barbosa M. A importância da alimentação saudável ao longo da vida refletindo na saúde do idoso. Rio Grande do Sul. Dissertação (Graduação) - Universidade regional do noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; 2012.

Cabral P, Pereira JMO. Avaliação dos conhecimentos básicos sobre nutrição de praticantes de musculação em uma academia da cidade de Recife. RBNE 2007 Jan; 1(1): 40-47.

Freitas AMP, Philippi ST, Ribeiro SML. Listas de alimentos relacionadas ao consumo alimentar de um grupo de idosos: análises e perspectivas. Rev Bras Epidemiol 2011 Mar; 14 (1): 161-177.

Ministério da saúde. Guia Alimentar para a população brasileira. 2005. Acesso em 7 de outubro de 2012. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_1109_M.pdf.

Grondin LMV, Guedes DP. Percepção de hábitos saudáveis por adolescentes: associação com indicadores alimentares, prática de atividade física e controle de peso corporal. Rev Bras Cienc Esporte 2002 Set; 24 (1): 23-45.

Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Reichert FF, Hallal PRC. Fatores considerados pela população como mais importantes para manutenção da saúde. Rev Saúde Pública 2009; 43 (6): 961-971.

Araújo MOPH, Ceolim MF. Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituições de longa permanência. Rev Esc Enferm USP 2007; 41 (3): 378-385.

Martins MPSC, Gomes ALM, Martins MCC, Mattos MA, Filho MDS, Mello DB, Dantas EHM. Consumo alimentar, pressão arterial e controle metabólico em idosos diabéticos hipertensos. Rev Bras Cardiol 2010 Maio; 23 (3): 162-170.

Santos DM, Sichieri R. Índice de massa corporal e indicadores antropométricos de adiposidade em idosos. Rev Saúde Pública 2005 Abr;39 (2): 163-168.

Heitor SFD, Rodrigues LR, Tavares DMS. Prevalência da adequação à alimentação saudável de idosos residentes em zona rural. Texto Contexto Enferm 2013 Jan; 22 (1): 79-88.

Coca AL, Gripp DB, Schinestzki ECV, Gianlupi K, Liberali L, Coutinho VF. Consumo alimentar e sua influência no controle da hipertensão arterial de adultos e idosos de ambos os sexos em uma unidade básica de saúde em Dourados – MG. RBCEH 2010 Maio; 7 (12): 244-257.

Nolte AOA. Associação entre hábitos saudáveis de alimentação, estado nutricional e percepção de saúde dos idosos. Rio Grande do Sul. Dissertação (Graduação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; 2011.

Sass A, Marcon SS. Dependência para alimentar-se e consumo alimentar em idosos hospitalizados. Rev Bras Enferm 2012 Nov; 65 (6): 955-961.

Carvalho APL, Zanardo VPS. Consumo de água e outros líquidos em adultos e idosos residentes do município de Erechim – Rio Grande do Sul. Perspectiva 2010 Mar; 34 (125): 117-126.

Zaitune MPA, Barro MBA, César CLG, Carandina L, Goldbaum M. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2006 Fev; 22 (2): 285-294.

Lunelli AC, Lopes CP, Warmling CA, Alves FS, Colle GD, Santana GA, Rosa RR, Nurenberg ZR. Morbidades em idosos e sua relação com o hábito de leitura de rotulagem de alimentos. RIC 2006; 4 (1): 179-187.

Downloads

Publicado

2016-10-06

Edição

Seção

Artigos